O ovo ficou conhecido como vilão por conter uma quantidade considerável de colesterol.
No entanto, diversos estudos esclareceram que o colesterol que consumimos em nossa alimentação não é o único fator que colabora para aumentar os níveis de colesterol no sangue. Na verdade, o nutriente mais prejudicial nesse caso é a gordura saturada, quando é consumida em excesso no dia-a-dia.

Sendo assim, o “lado mau” do ovo foi desmistificado. Existe consenso entre os pesquisadores de que o consumo de ovo, dentro de uma dieta balanceada, não traz prejuízos à saúde: o seu colesterol pode ser perfeitamente metabolizado pelo organismo.
O perfil de nutrientes é bastante diferente na clara e na gema dos ovos.

A clara é composta principalmente por proteínas, como a albumina, o tipo de proteína predominante nela. A albumina é uma proteína de alto valor biológico, como a maior parte das proteínas dos alimentos de origem animal. Isso significa que ela é uma boa fonte de aminoácidos essenciais para o nosso organismo. Os aminoácidos são os “ingredientes” que nosso corpo utiliza na construção das proteínas, e alguns destes aminoácidos, os que são chamados de essenciais, precisam vir da nossa alimentação, pois nosso metabolismo não dispõe de reações para produzi-los.

Daí vem a fama da clara entre os praticantes de atividade física, que com freqüência as utilizam fazer o omelete, desprezando as gemas, visando o seu conteúdo protéico que auxilia na recuperação muscular e na prevenção de lesões. A clara de um ovo de galinha médio fornece cerca de 3,6g de proteínas.

Retirando a gema, onde está concentrada a maior parte dos lipídios (cerca de 95%) e todo o colesterol (190mg/unidade) do ovo, tornamos a receita de omelete mais leve, com digestão mais rápida e eficiente. Esse ponto é bastante interessante se pensarmos na alimentação para o período pré ou pós-atividade física.

No entanto, ao excluir a gema, deixamos também de consumir uma série de nutrientes.
A gema do ovo é uma fonte de luteína e zeaxantina, carotenóides antioxidantes que se acumulam na região macular da retina e têm função protetora.

Para se ter uma idéia, mais de 80% da quantidade de vitamina A e de vitamina E do ovo de galinha estão concentrados em sua gema. A vitamina A, além de colaborar para a saúde das mucosas, pele e retina, tem importante poder antioxidante, também encontrado na vitamina E.

Por fim, vale a pena ter em mente que 1 ovo de galinha médio fornece aproximadamente 3 e 10%das necessidades diárias de vitamina E e vitamina A, respectivamente, para homens e mulheres adultos (19 a 60 anos).