Recentemente, muita polêmica foi gerada por uma empresa espanhola, chamada Life Length, que divulgou um teste que identifica o tempo restante de vida de uma pessoa através de um simples exame de sangue. Através da análise do tamanho de uma parte do cromossomo humano chamado telômero, é possível indicar o ritmo de envelhecimento de cada pessoa, e assim estimar quanto tempo lhe resta de vida ainda.
Vários estudos mostraram que pessoas com telômeros mais longos tendem a viver mais do que pessoas com telômeros curtos. E você sabia que a nutrição pode interferir diretamente no tamanho deles? Além da nicotina e do stress, outro fator que influencia na longevidade é a alimentação.
Um estudo publicado em 2010,no periódico American Journal of Nutrition revelou que a deficiência de folato, niacina e de anti-oxidantes podem causar quebra cromossômica nas regiões teloméricas ou hipometilação, que levam a perda de controle dos tamanhos dos telômeros, e geram telômeros disfuncionais ou curtos. A niacina, conhecida popularmente por vitamina B3, pode ser obtida através da ingestão de carnes, peixes, fígado, cereais, leguminosas e oleaginosas, já o folato, ou vitamina B9, é encontrado em verduras verde-escuras, laranja e gema de ovo.
Além disso, vários nutrientes foram descritos como protetores dos comprimentos dos telômeros, alguns deles são: polifenóis, ômega-3 e curcumina, presentes no vinho, peixes, e açafrão, respectivamente.